As vantagens do café armazenado em lata


A lata está se tornando, cada vez mais, uma opção importante de embalagem para o café. Apesar de muitos acreditarem ser apenas uma questão de estética, o material tem diversos benefícios para a conservação do grão. Os grandes inimigos do café durante seu armazenamento são a umidade, a luz, o calor e a exposição ao oxigênio.


Rubens Martins, proprietário da Root's Coffee, afirma que o café já armazenado na lata vem para contribuir com o mercado de café especial e é um salto gigantesco na preservação da qualidade do grão pós-torrado. De acordo com ele, a Root's sempre quis inovar nas embalagens, e a empresa nunca envasou o café em pacotes. Inicialmente, era colocado em potes, mas o processo antes do envase exigia um descanso do grão que prejudicava os

compostos aromáticos desejáveis.

Foto: Divulgação Root's Coffee

Diante disso, a empresa começou a estudar sobre armazenamento de cafés especiais e chegou à lata de alumínio. O processo é totalmente mecânico e não tem nenhum contato físico humano. Além disso, é utilizada a tecnologia de “expulsar” o oxigênio de dentro da lata para diminuir o poder de oxidação do café. “Nós continuamos testando essa tecnologia com cafés que envasamos em 2021. Sempre comparamos o café em lata grão e o café em lata moído com o pacote envalvulado em grão e moído, torrados no mesmo dia. Realizamos o cupping dessas latas semanalmente. É assustadora a manutenção de frescor, aroma e sabor que a lata fornece para o café”, avalia Rubens.


Erick Petta, curador da Seleção do Erick, também aderiu à tendência. Em parceria com a Root's Coffee, o empreendedor está lançando sua coleção de cafés em lata. “O que me chamou muito a atenção foi a oportunidade de ter uma embalagem na qual você tem zero incidência de iluminação, zero contato com oxigênio e maior proteção contra a umidade, porque ela é hermeticamente fechada”, explica. Além disso, ele destaca a vedação mais segura que a lata permite quando comparada a outras embalagens: “Esse tipo de envase retarda ainda mais a oxidação dos grãos, por ser um ambiente mais estéril. É uma embalagem que traz uma estética mais premium do que um pacotinho, chama a atenção em uma gôndola e proporciona um produto esteticamente diferenciado”.

Foto: Divulgação Seleção do Erick
BELEZA E CONSERVAÇÃO

Para Daniela Zaminiani, barista da rede Sterna Café, só existem vantagens nas embalagens em lata. “O fato de a lata ser hermética e ter a válvula é que garante a qualidade do café por mais tempo. E tem o bônus que, quando decoradas, formam um conjunto colecionável”, defende.


A Associação das Mulheres do Café também já utilizou as latas em seu envase. Cíntia Mara, extensionista do Projeto Mulheres do Café do Norte Pioneiro do Paraná, afirma que o motivo inicial de colocar o café na lata foi de ter uma opção para os clientes presentearem sem prejudicar a qualidade do produto. O resultado foi positivo, tanto pela apresentação estética, como também pela manutenção da qualidade dos grãos. “A lata vem com um lacre de encaixe perfeito, que evita a oxidação dos grãos. Mesmo depois de aberta, eles serão bem conservados. Ainda poderá ser reutilizada para armazenar mais cafés ou mesmo outros itens de interesse. O reuso é muito importante para a sustentabilidade ambiental”, orienta. Para ela, a única desvantagem desse tipo de embalagem é que o consumidor não consegue sentir o aroma dos grãos antes da compra.


Renata Paiva, administradora do Café Campos Altos, destaca os benefícios da embalagem da mesma forma, mas também aponta a desvantagem do valor agregado, que pode, muitas vezes, aumentar significativamente o custo final. Para ela, a lata proporciona ainda mais exclusividade e requinte, além de proteger melhor o café. “A embalagem em lata proporciona mais uma barreira contra os fatores que podem danificar o café, como umidade, calor excessivo, sujeira e odores. Assim, também proporciona um design único para edição limitada, deixando-a ainda mais exclusiva”, completa.


EM LATA, LÍQUIDO E GELADO
Foto: Divulgação Moose Brasil Café

O café líquido em lata, mais conhecido como cold brew, é bastante comum em países da Ásia e da América do Norte. Mas essa tendência também chegou ao Brasil, por meio da Moose Brasil Café, que lançou, durante a Semana Internacional do Café (SIC 2021),o primeiro café em lata ready to drink brasileiro. O cold brew é à base de café, porém feito 100% por meio de infusão em água fria, envasado em latas a frio e com adição de nitrogênio.


Gabriel Adamo, cofundador da Moose Brasil Café, conta que a ideia surgiu quando seu pai, Cezar Adamo, foi buscar novas tendências para o café no exterior e a mais apresentada foi o cold brew. A partir daí, eles pesquisaram e entenderam a produção desse modelo de café. De acordo com os fundadores, a ideia é de que a bebida seja uma oportunidade para que novos cafés estejam dentro da lata como uma bebida gelada.