Mato Grosso quer se consolidar na produção e cultivo de café

Produtores rurais de Mato Grosso recebem incentivos para disseminar a cultura do café, nas terras que já são responsáveis pela maior produção de grãos (soja e milho) do Brasil




Produtores rurais de Mato Grosso recebem incentivos para disseminar a cultura do café, nas terras que já são responsáveis pela maior produção de grãos (soja e milho) do Brasil. Afinal, somos o segundo país que mais consome a bebida no mundo, perdendo somente para os Estados Unidos. Realmente, é difícil quem não resista a um cafezinho, não é mesmo?

E pensando em expandir essa cultura em Mato Grosso, a Secretaria Estadual de Agricultura Familiar conta com apoio de pesquisadores da EMPAER de Mato Grosso e da EMBRAPA de Rondônia. “A proposta do experimento é validar 52 clones de Coffea canephora, e está sendo implantada nas regiões Médio Norte e Noroeste do Estado”, salienta a doutora em agronomia Dalilhia Santos. Sobre as condições climáticas, a pesquisadora acredita que as plantas em experimentos possuem adaptação ao nosso calor e solo, pois a espécie é originária do Congo (continente africano) região de baixa altitude e elevada temperatura.


A pesquisadora Dalilhia destaca ainda que as plantas domesticadas passam por processos de melhoramento genético, por melhoristas, ou seleção por cafeicultores. Quando atingem as características agrícolas almejadas podem ser clonadas (copiadas geneticamente). “Estamos utilizando essas plantas melhoradas de Coffea canephora, para mensurar a superioridade agronômica delas nas condições de clima e solo mato-grossense” destacou Dalilhia.

A proposta do governo é que Mato Grosso tenha maior participação no mercado cafeeiro, para isso, vai investir R$ 5 milhões em programa para alavancar o cultivo do café, junto aos agricultores familiares, diante do aumento do consumo por parte dos brasileiros e estrangeiros.

Denominado MT Produtivo Café, o programa vai atender agricultores familiares de 33 municípios e a meta é distribuir 500 mil mudas de café clonal para produtores selecionados. Hoje a média de produtividade chega a 20 sacas de café por hectare. Com o plantio do café clonal a expectativa é atingir uma produtividade média de 70 sacas/hectare.


Um dos agricultores que aderiu ao programa é o André Francisco de Souza, de 40 anos. Ele deixou Rondônia há 9 anos para plantar café robusta em Colniza, cidade ao noroeste de Mato Grosso e que há mais de 10 anos figura como o mun