Chapada de Minas e Cerrado Mineiro produzem os melhores cafés especiais do Brasil em 2018


Em cerimônia marcada por muita emoção e que reconheceu a crescente qualidade dos cafés brasileiros, foram definidos, no domingo, 21 de outubro, em Guaxupé (MG), os melhores grãos especiais da safra atual, que venceram o Cup of Excellence – Brazil 2018. A empresa Primavera Agronegócios, com o lote produzido na Fazenda Primavera, em Angelândia, na região da Chapada de Minas Gerais, sagrou-se campeã da categoria "Pulped Naturals", com a nota 93,89 pontos. Já o cultivado por Maria do Carmo Andrade, na Fazenda Paraíso, em Carmo do Paranaíba, situada na Denominação de Origem do Cerrado Mineiro, foi o campeão da categoria "Naturals", com 93,26 pontos.


O Cup of Excellence – Brazil 2018, principal concurso de qualidade para cafés do mundo, realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE), teve 67 vencedores, sendo 30 na categoria "Pulped Naturals" e 37 na "Naturals", que são os lotes que receberam notas iguais ou superiores a 86 pontos (escala de zero a 100 da competição) pelos 29 profissionais, oriundos de 10 países, que compuseram o júri internacional.


Para a diretora da BSCA, Vanusia Nogueira, o concurso exerceu sua função de garimpar os cafés nacionais que possuem um nível de excelência diferenciado e evidenciam a variedade e a qualidade dos grãos brasileiros. “O resultado foi extraordinário, fenomenal. Os juízes ficaram surpresos com a diversidade dos cafés recebidos, principalmente os da categoria Pulped Naturals, que destacaram que nossas diversas variedades e origens produtoras são capazes de entregar, com excelência e em quantidade, o que há de melhor ao mundo”, celebra.

A diversidade de sabores ficou evidente em consulta aos juízes internacionais, que destacaram que os melhores cafés especiais brasileiros ofereceram sensações gustativas que remetem a bergamota, mel, chocolate, mirtilo, pêssego, cana de açúcar, amora e frutas cítricas, entregando paladares intensos, com acidez acentuada e notas similares à escala dos vinhos.


O colombiano Ramon Alfredo Presiga Tangarife, da Latorre & Dutch Green Coffe, que compôs o júri internacional, destaca que provou cafés extraordinários produzidos no país. “São muito particulares pelos diferentes perfis que apresentam e essa diversidade faz com que o Brasil se posicione pela qualidade e pelas notas especificas de cada café, sendo muito atrativo para os clientes internacionais e nacionais”, sintetiza.

PULPED NATURALS Na categoria voltada aos cafés cerejas descascados e/ou despolpados, cinco amostras receberam o título de café presidencial, obtendo nota superior a 90 pontos do júri internacional: os cafés produzidos por Reinaldo Garcia dos Santos, no Sítio Fortaleza, em Luisburgo, nas Matas de Minas; pela empresa Dimap, na Fazenda Santo André, em Pratinha, na Denominação de Origem do Cerrado Mineiro; por Maria José Junqueira Céglia, na Granja São Francisco, em Carmo de Minas, na Identifi